Sobre refutações

24 de Out de 2020

Vivemos na Era da Comunicação. A tecnologia para se fazer ouvir por milhares de pessoas tornou-se facilmente acessível. Muitos falam. Alguns escutam. Poucos analisam.

Refutações são espinhosas. Frequentemente são mal interpretadas. Mas são necessárias.

Ninguém mais eloquente do que Carl Sagan, em seu livro O Cérebro de Broca (Broca’s Brain, 1974), para explicar por que são necessárias.

[A] vida política e religiosa […] foi marcada por uma credulidade pública excessiva, uma falta de vontade de perguntar o que é difícil, fato que resultou numa perturbação que se pode verificar na saúde da nação. O cepticismo  do consumidor resulta em produtos de qualidade. Isto pode explicar porque os governos, as igrejas e as escolas não mostraram entusiasmo em excitar o pensamento crítico. Sabem que eles próprios são vulneráveis. […]
E, como resultado disto, temos que muito poucos cientistas mergulham verdadeiramente nas águas lodosas de comprovar e desafiar as crenças marginais e pseudocientíficas. A probabilidade de descobrir algo verdadeiramente interessante - exceto o que se relaciona com a natureza humana- parece pouca e o tempo exigido parece muito. Creio que os cientistas deviam passar mais tempo discutindo estes assuntos, mas o fato de uma dada afirmação não ter eco numa oposição científica vigorosa não implica, de modo algum, que os cientistas a achem razoável. […]
Alguns cientistas parecem não querer ter confrontos públicos sobre assuntos relacionados com a ciência marginal pelo esforço que lhes é exigido e pela possibilidade de ficarem a perder num debate público. Mas essa é uma excelente oportunidade para mostrar como a ciência funciona nos seus limites obscuros e também um modo de perceber algo do seu poder e dos seus prazeres. […]
Penso que devemos perseguir seguramente o extraordinário.
Mas afirmações extraordinárias requerem provas extraordinárias.

Não pretendo ser infalível, não pretendo sequer estar certo na maior parte das minhas manifestações. Mas considero o diálogo essencial à formação do conhecimento. O diálogo, o debate, a livre exposição, o embate de ideias.

Tenho grande dificuldade em atacar pessoas, mas grande facilidade para atacar ideias. Minhas refutações são, antes de tudo, um convite ao debate.

Somente assinantes podem enviar comentários.

Assine agora!

Já tem uma assinatura? Entre!

LC, o Quartelmestre

Também conhecido como Luiz Cláudio Silveira Duarte. Escritor, poeta, pesquisador, jogador, polímata, filômata... está bom para começar.