Assombrado

poesia 7 de Out de 2022

Há um beijo que me assombra
O beijo que nunca dei
Marca a mente, pulsa em sonhos
Por vezes é desespero
Quase sempre, é delícia
Imaginada, sim, mas
Nem por isso menos mel
Outros beijos me assomam
Os que dei e recebi
Lábios, língua, dentes lembram
Outros úmidos arquejos
Pela boca vai minh’alma

Palavras-chave

LC, o Quartelmestre

Também conhecido como Luiz Cláudio Silveira Duarte. Escritor, poeta, pesquisador, jogador, polímata, filômata... está bom para começar.