Ante portas

14 de Set de 2023

Situação

Passaram-se 538 anos desde que Roma foi fundada, 293 anos desde que os romanos e romanas criaram a República. Roma está em guerra contra Cartago há dois anos: o general cartaginês Aníbal invadiu a península itálica, vindo da Hispânia e cruzando as terras dos gauleses. Em 2 de agosto, o inimigo infligiu uma derrota catastrófica: em uma única tarde, Roma perdeu praticamente todo o seu exército, oito legiões romanas e mais oito legiões dos aliados italianos. Cinquenta mil homens mortos, incluindo mais de cem magistrados e senadores da República – entre eles L. Aemilius Paullus, um dos dois cônsules.

A batalha de Cannae foi apenas a derrota mais recente. Nestes dois anos de guerra, Roma perdeu cento e cinquenta mil homens – um quinto da sua população masculina entre 17 e 45 anos.

O inimigo está às portas da cidade; a República corre grave perigo – e as mulheres de Roma querem provar que estão à altura do desafio.

Desde que Lucretia sacrificou Sextus Tarquinius, e precipitou o fim da monarquia, as mulheres de Roma vêm realizando uma luta extenuante contra o preconceito arraigado na cultura romana. A luta dos plebeus contra os patrícios, no início da República, permitiu que as mulheres também conquistassem posições mais significativas no Estado. Mas a pacificação interna, unida aos infindáveis inimigos externos, fizeram com que a luta feminina perdesse ímpeto.

A última conquista institucional aconteceu há setenta anos, quando a lex Hortensia permitiu que mulheres fossem eleitas como tribunos da plebe. Atualmente, as magistraturas menores estão abertas a romanas: tribunos da plebe, questores, edis de plebe e edis curuis. Mas mulheres não podem ser tribunos militares, nem podem ocupar os cargos mais importantes – os cargos com imperium, o poder de comandar tropas. Uma romana não podem ser pretor, nem cônsul, nem ditador.

Nenhum dos cônsules ou pretores está em Roma. O Senado elegeu às pressas um ditador, M. Iunius Pera, e o enviou para tentar recompor as forças dizimadas pelo inimigo. A República está acéfala… e Aníbal pode tentar atacar a cidade a qualquer momento.

O jogo

Ante Portas é uma sessão única de RPG, no ambiente quase-histórico descrito acima. Os participantes controlam personagens em Roma, e tentam conseguir seus objetivos pessoais em meio ao caos instaurado na República.

O sistema de jogo é o Drama System, criado por Robin D. Laws. Ele dá mais ênfase a conflitos interpessoais e dramáticos do que a ações heróicas.

Somente assinantes podem enviar comentários.

Assine agora!

Já tem uma assinatura? Entre!

LC, o Quartelmestre

Também conhecido como Luiz Cláudio Silveira Duarte. Escritor, poeta, pesquisador, jogador, polímata, filômata... está bom para começar.