Espera

Devaneios em uma sala de espera.

https://quartelmestre.com/poesia/espera/

    enquanto espero
    a mente vagueia
    eu lembro de beijos
    e sonho com seios
    revejo sorrisos
    carinho cabelos
    meus dedos aprendem
    minúcias, segredos
    e depois ensinam
    à língua ansiosa
    quais são os caminhos
    que causam gemidos
    eu crio cenários 
    perfeitos delírios 
    de grande luxúria
    com eles ocupo
    momentos vazios
    a cena é sonho
    real o desejo
    reflete o amor
    que guardo sem pejo
    não posso beijar
    mas posso amar


2024 Luiz Cláudio Silveira Duarte https://quartelmestre.com
O conteúdo destas páginas pode ser utilizado conforme os termos da licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.