Madrugada

https://quartelmestre.com/poesia/madrugada/

    Delícias em toques
    Carinhos ousados
    Carícias safadas
    Eu beijo, deslizo
    Meus lábios e dedos
    Por curvas gentis
    Aprendo sabor
    Inspiro odor
    Por vezes aperto
    Mordisco, talvez
    Provoco, sussurro
    As falsas verdades
    Da fala do amante
    Que quer induzir
    Arquejos febris
    Fazê-la querer
    Mover os quadris
    E enfim ouvir
    -- "Vem!"


2024 Luiz Cláudio Silveira Duarte https://quartelmestre.com
O conteúdo destas páginas pode ser utilizado conforme os termos da licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.