Matinal

https://quartelmestre.com/poesia/matinal/

    Os olhos fechados
    Ainda dormindo
    Mas quase acordado
    Estendo a mão
    Encontro calor
    Da pele macia

    Mas ela inda dorme
    O toque me acorda
    Eu tomo cuidado
    Não vou despertar
    Sem antes limpar
    As marcas do sono

    Levanto-me lesto
    Lançando o olhar
    O Sol não raiou
    Invejo o luar
    Que pode tocar
    Seu sono abraçar
    Com luz enfeitar
    O leve sorriso
    -- Está a sonhar?

    Me quedo calado
    Em sonho encantado
    Mas logo me agito
    A mente dispara
    Em sonho excitado
    Me cuido, preparo
    O corpo atrasado
    Em sonho já estou
    Fremente ao seu lado

    Mas volto silente
    Começo por beijos
    Suaves e leves
    Seu braço se move
    Me abre caminho
    A língua desenha
    Palavras de ardor
    Carícias nos seios
    Passeio meus dedos
    Desperta, ó bela!

    É hora do amor!


2024 Luiz Cláudio Silveira Duarte https://quartelmestre.com
O conteúdo destas páginas pode ser utilizado conforme os termos da licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.